Saiba por que o livro Minha Luta, de Hitler, não deve ser comercializado

Não se trata de defender a censura, mas apontar os limites permitidos nas relações humanas Assim como não devem ser permitidos publicações de livros sobre pedofilia, relatos orgulhosos de defensores da escravidão, textos discriminatórios contra negros e teses que rebaixam as mulheres e os homossexuais, o livro Mein Kampf (Minha Luta), de Hitler, deve ficar longe das prateleiras de livrarias, bancas de jornais e afins. Entidades como a Conib (Confederação Israelita do Brasil) e a Fisesp (Federação Israelita do Estado de São Paulo), no início deste mês, voltaram a se manifestar neste sentindo, enviando representação criminal junto ao procurador-geral de Justiça do Estado de São Paulo, Gianpaolo Poggio Smanio, contra a comercialização do livro. Elas se basearam na decisão da 33ª Vara Criminal da Comarca do Rio de Janeiro, que não permite a circulação da obra. Se o nazismo já foi um peso enorme que parte da humanidade carregou, comercializar […]

» Leia mais

Editoras submetem obras a leitores pertencentes a minorias sociais

Tendência começou nos países de língua inglesa e chegou ao Brasil, pela Companhia das Letras O empoderamento das minorias sociais vem sendo sentido em diversos espaços de criação e fruição humana, como na música e no cinema. A literatura é outro campo criativo em que os movimentos organizados de gays, negros, mulheres e portadores de deficiência física são cada vez mais representados ou ouvidos. Tendência que vem ganhando espaço nas editoras brasileiras, os chamados sensitivity readers (leitores sensíveis) são pessoas pertencentes às minorias, contratadas para lerem obras ficcionais (antes de serem lançadas) que tenham personagens ou protagonistas pertencentes às minorias. A leitura deve resultar num relatório sobre como se sentiram ali retratadas, e o objetivo das editoras é impedir que o livro, após sua publicação, provoque reações adversas na sociedade e venham a ser banidos de escolas, bibliotecas e até livrarias. As editoras passaram a tomar esse cuidado de maneira […]

» Leia mais

14 livros de escritoras brasileiras contemporâneas que você deve ler

Quando o assunto é literatura feminina no Brasil, os primeiros nomes que vêm à mente podem ser os de Clarice Lispector, Cecília Meireles, Lygia Fagundes Tellesou Rachel de Queiroz. Muitas das autoras dos anos mais recentes ainda são pouco conhecidas, embora já tenham publicado obras excelentes. Pensando nisso, a GALILEU escolheu 14 livros contemporâneos que podem te ajudar a conhecer talentos das novas gerações. Noites de Alface, de Vanessa Barbara (Objetiva) Este romance conta a história de Otto, que fica viúvo após 50 anos casado com Ada. Vivendo o luto, o senhorzinho começa a pensar no passado e a conversar com a vizinhança. A cada dia Otto desconfia mais e mais que há um mistério que os vizinhos tentam esconder e, baseado nas séries policiais que adora, vai atrás de mais pistas. Depois a Louca Sou Eu, de Tati Bernardi (Companhia das Letras) Com muito humor, a escritora e roteirista […]

» Leia mais

Livros que viajam

Biblioteca móvel do Sesc percorre o país com um acervo de três mil livros São 57 unidades circulando por 25 estados e pelo Distrito Federal – Divulgação Há 12 anos na estrada, o projeto BiblioSesc pode ser considerado uma iniciativa literária inspiradora. A unidade móvel que carrega um acervo de três mil publicações, em média, percorre circuitos compostos por dez bairros, em cidades do interior e periferias de grandes centros. Isso permite que, a cada 15 dias, pessoas de todas as idades tenham acesso a livros gratuitamente e, consequentemente, à informação, entretenimento, diversão. Atualmente, 57 unidades circulam por 25 estados e pelo Distrito Federal. No ano passado, o projeto atendeu a aproximadamente 41 mil usuários, em 370 locais, passando por 110 cidades. Para realizar o empréstimo de livros, basta fazer um cadastro gratuito na própria unidade. Os inscritos podem tomar emprestados até dois livros e uma revista a cada visita […]

» Leia mais

Por que os e-books não mataram (e não vão matar) o livro impresso?

Em artigo ao PublishNews, José Henrique Guimarães(*), da Acaiaca, defende a coexistência entre os livros digitais e físicos   O mercado editorial brasileiro se tornou muito competitivo nos últimos 20 anos. A expansão do varejo físico no modelo de megastores, a ampliação dos canais digitais e a chegada ao Brasil de importantes grupos editoriais estrangeiros, rompendo com a longa tradição de empresas familiares no setor, contribuíram para mudanças sensíveis no setor. A evolução tecnológica trouxe também incertezas ao mercado nos últimos anos: o livro físico será substituído pelo digital? As livrarias irão fechar? Os e-books irão afetar o interesse pelas obras em papel? Quando analisamos os números da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel), que fazem parte do estudo Dez anos de Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro, que inclui a década de 2006-2015, identificamos que as vendas tiveram um aumento […]

» Leia mais

5 lugares para conhecer no Brasil se você ama livros

Se tem uma coisa capaz de encantar e apaixonar, isso é um bom livro. Às vezes, a receita para um dia feliz é a combinação de um lugar aconchegante e um livro. Que tal, então, conhecer 5 lugares aqui mesmo no Brasil que são perfeitos para quem ama ler? Confira a seguir: ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS Localizada no Rio de Janeiro, a famosa Academia Brasileira de Letras é o principal recanto da nossa literatura. Contando com nomes que marcaram na história, ela une aprendizado e curiosidades em um pacote só e é ideal para os amantes de livros. CASA DE JORGE AMADO Um espaço todo voltado à maravilhosa literatura baiana. A Fundação Casa de Jorge Amado fica em um casarão em frente ao Pelourinho, na Bahia, e reúne documentos sobre o autor que lhe dá nome, Zélia Gattai e muito mais. O local tem oficinas, seminários, exposições e, claro, livros. CAMINHOS DRUMMONDIANOS […]

» Leia mais

4 livros para conhecer Antônio Cândido

Crítico literário brasileiro deixou obras que ajudam a entender a formação da literatura brasileira e sua relação com a sociedade   Antônio Cândido é considerado um dos maiores e mais fundamentais críticos literários da história do país. O autor faleceu no dia 12 de maio de 2017, aos 98 anos, deixando para trás uma vasta obra crítica que moldou a forma de estudar e interpretar literatura no Brasil. Foi professor emérito na Faculdade de Ciências e Letras da Universidade de São Paulo no ensino de Teoria Literária e Literatura Comparada. Além do trabalho como docente, foi o responsável por criar O Suplemento Literário de O Estado de S. Paulo, em 1956, caderno especial voltado à literatura, um dos principais paradigmas do jornalismo cultural até hoje. Entre tantas obras, fica difícil para o leitor saber por onde começar a se aprofundar nos textos do autor. A GALILEU separou quatro livros essenciais que […]

» Leia mais

Inteligência de mercado – o caminho para as livrarias e editoras

O mercado de livros mudou. Isso você sabe. Uma parte dessa mudança você sente ao pisar nas livrarias. Muitas são tão grandes quanto supermercados. O atendimento também é diferente, e a oferta de títulos também… Mas o que começo a tratar aqui é sobre uma parte quase invisível dessa mudança: as engrenagens e ferramentas que são a base destes novos tempos, das novas estratégias e modelos de negócios e que estão aí para aumentar conversões, capturar a intenção de compra, trabalhar o perfil dos clientes, e reorganizar os mixes de produtos dentro das livrarias. Nosso mercado sempre se valeu de aspectos externos para vender o livro: do charme desta atividade, da simpatia dos vendedores, dos pacotes de publicidade das livrarias, dos descontos depravados das queimas de estoques, e de crer e aceitar que medidas assim são combinações suficientes para fecharem as contas no fim do mês. Sabemos que hoje há […]

» Leia mais

Mike Shatzkin debate a consignação

A convenção de “vendas e retorno” através da qual a maioria dos livros é vendida pela maioria das editoras para suas contas de varejo e atacado é geralmente descrita como “consignação”. Na verdade, não é. Termos reais de consignação nos dariam uma rede suprimentos um pouco diferente, e podemos estar mais perto do que as pessoas imaginam de chegar a ela. Apesar de que as grandes contas comerciais compram seus estoques de editoras com o direito de retornar os livros não vendidos com crédito total (ou quase total), isso é muito diferente, de várias maneiras, da verdadeira consignação. 1. O cliente da editora precisa pagar por pelo menos algum custo de frete para enviar as mercadorias. A maioria dos clientes paga o custo do envio para receber os livros em primeiro lugar e quase todos pagam o custo de enviá-los de volta. 2. Para quase todos os clientes, as editoras […]

» Leia mais

A literatura como privilégio: quão caros são os livros no Brasil?

Não é de hoje que os livros brasileiros apresentam preços absurdos. É natural que qualquer cidadão brasileiro adentre em uma livraria e se assuste com o preço indexado às capas, sejam elas nacionais ou estrangeiras. Preços que variam dos trinta e chegam até a casa dos cem, assustam possíveis consumidores do mercado das letras, e faz com que aqueles que deveriam desfrutar da literatura, prefiram investir seu dinheiro em artigos de primeira necessidade, e reneguem o aprendizado, a cultura, a um segundo plano. É claro que a cultura é importante na vida de um sujeito. É por meio da cultura, que se conhece o próprio país, a língua mãe. Que se educa. Mas em termos de Brasil, tudo aquilo que envolve a palavra, seja ela cantada ou escrita, acaba por se tornar privilégio de uma minoria. Daqueles que podem separar algumas notas do seu salário mensal para comprar uma obra […]

» Leia mais
1 2 3 4 5 6